Finanças comportamentais & Investimentos ASG

As ciências comportamentais têm ganhado relevância nos últimos anos demonstrando como aspectos psicológicos, sociológicos, dentre outros influenciam a tomada de decisões econômicas. Esse conhecimento tem sido utilizado, inclusive, por governos, incluindo o brasileiro[1], para otimizar a implementação de políticas públicas e a criação de nudges[2].

Nas finanças comportamentais, subdisciplina da economia comportamental, o foco é estudar como os aspectos mencionados acima influenciam a tomada de decisão financeira, incluindo decisões de investimento. Já é sabido que os investidores nem sempre tomam a decisão que representam o melhor custo-benefício, visto que invariavelmente sofrem a influência das emoções e crenças quando da avaliação de riscos de um investimento.   Continue lendo…

Comportamento do investidor e covid-19

 

Em 2020, a pandemia do covid-19 trouxe enormes desafios sociais e econômicos para todos os países, com impactos no mercado financeiro. É bem conhecido, a partir de estudos sobre o comportamento do investidor (ARANHA 2006), que momentos de crise podem gerar estresse psicológico e influir nas decisões de investimento.

Um dos comportamentos mais comuns em momentos de pânico ou euforia do mercado, e que podem interferir na tomada de decisão do investidor, é denominado “comportamento de manada”, onde o investidor ignora suas informações particulares e segue a conduta de outros investidores. Esse efeito é potencializado pelo viés da confirmação, viés cognitivo que influencia o investidor a buscar informações que confirmem suas crenças e opiniões e ignorar, ou dar menor peso, aquelas que contrariam a decisão de investimento tomada.

Continue lendo…

Como lidamos com nossas emoções hora de investir? Uma visão da Abordagem Centrada na Pessoa

Segundo a visão da Psicologia Econômica, a oscilação de preços na bolsa de valores não é um fator puramente objetivo. As decisões que os investidores tomam são influenciadas por vieses comportamentais que interferem no modo como os investidores avaliam os preços de mercado e tomam decisões financeiras.

Já vimos em alguns artigos publicados neste blog que a Psicologia Econômica surge buscando explicar observações empíricas que, em princípio, contrariariam pressupostos da teoria econômica clássica – especialmente aqueles relacionados à racionalidade econômica do ser humano que, teoricamente, agiria sempre buscando a maximização de resultados, do ponto de vista financeiro.

Essa área da Psicologia afirma que a subjetividade afeta a percepção e a interpretação dos fatos e, consequentemente, as decisões. Por isso, o estudo do comportamento humano, de suas crenças, ações e sentimentos torna-se importante na hora de fazer escolhas financeiras.

Saindo um pouco da linha de trabalho usualmente explorada pela Psicologia Econômica, a psicóloga Tatiana Tomaselli escreve sobre a tomada de decisões financeiras através de uma perspectiva psicológica pouco utilizada para esse fim, a Abordagem Centrada na Pessoa, desenvolvida por Carl Rogers. A autora resume esse assunto da seguinte maneira: Continue lendo…

Como está a performance do investidor individual no mercado de ações brasileiro ?

Como está a performance média do investidor que opera diretamente no mercado de ações brasileiro ?  

Em novembro de 2018, a CVM realizou, na cidade de São Paulo, a IEC -Conferência de Ciências Comportamentais e Educação do Investidor. Este evento anual traz uma série de atividades e palestras sobre estudos comportamentais e educação financeira a fim de aprimorar as ações de proteção e orientação do investidor brasileiro e discutir novas formas de incentivar a formação de poupança no país.

Dentre as palestras, Bruno Giovannetti (EESP-FGV) apresentou o tema “The poor performance of individuals in the Brazilian stock marcket” – “A baixa performance dos indivíduos no mercado de ações brasileiro”.

A pesquisa analisou o comportamento dos investidores individuais, aquele que compra ações em pequenas e médias quantidades. A pesquisa foi dividida em dois blocos principais: buy-to-hold¹ e day-traders².

Continue lendo…

A forma de apresentação da informação contábil pode auxiliar na tomada de decisão do investidor ?

Em novembro de 2018, a CVM realizou, na cidade de São Paulo, a IEC – Conferência de Ciências Comportamentais e Educação do Investidor. Este evento anual traz uma série de palestras sobre estudos comportamentais e educação financeira a fim de aprimorar as ações de proteção e orientação do investidor brasileiro e discutir novas formas de incentivar a formação de poupança no país.

Bianca Checon, Doutora em Ciências Contábeis, apresentou alguns dos principais resultados da sua excelente tese – “Atenção limitada, o uso da informação contábil e seus impactos na tomada de decisão de investimento individual” (título em português). Continue lendo…

O papel do autocontrole nas decisões econômicas das crianças

As crianças podem adquirir comportamentos econômicos e hábitos a partir da observação de outras pessoas ou a partir de suas próprias experiências. Buscando mostrar como o aumento do nível de autocontrole ou a indução de orientação de autorregulação podem afetar as decisões econômicas das crianças, as autoras Agata Trzcińska, Katarzyna Sekścińska e Dominika Maison publicaram, no inicio de agosto, o artigo The role of self-control and regulatory foci in money-saving behaviours among children¹. Elas estavam interessadas em saber ​​se a ativação mental de autocontrole não relacionado ao comportamento financeiro é suficiente para influenciar não só as decisões financeiras hipotéticas, mas também comportamentos econômicos.

Continue lendo…

Como dobrar as taxas de poupança!

Em 2018, o Behavioral Economics Guide focou em três assuntos de interesse crescente na Economia Comportamental: a imagem social como um preditor subjacente do comportamento humano; a efetividade e as consequências dos contratos de compromisso; e, o papel da falta de atenção nas decisões do consumidor.

Algumas aplicações de ideias acerca desses temas foram expostas nesse guia. Hoje falaremos sobre meios utilizados para incentivar a poupança e encorajar a população a manter esse hábito por tempo suficiente para atingir seus objetivos, uma vez que muitos começam, mas pouquíssimos conseguem atingir suas metas.

Continue lendo…