Como o processo de decisão ocorre em nossos cérebros?

neuroeconomia é uma área de estudos recente, que se originou da economia comportamental, na tentativa de entender melhor como ocorre o processo decisório. Partindo do pressuposto que a teoria utilitarista da economia (que diz que somos seres racionais e buscaremos sempre as decisões que otimizem nossos ganhos) não seria o suficiente para explicar nossas escolhas, buscou combinar conhecimentos da neurociência com a psicologia cognitiva para testar os modelos econômicos. Desta forma, busca continuamente responder perguntas sobre por que nos comportamos de determinada maneira e tomamos decisões que nem sempre são as melhores para nós e também como estabelecemos nossas preferências. 

Continue lendo…

Grupo de Estudos de Antropologia das Finanças (parte 1)

O Centro Educacional CVM-OCDE de Letramento Financeiro para América Latina e Caribe em parceria com o Núcleo de Pesquisas em Cultura e Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (NuCEC-UFRJ) organizou, nos últimos seis meses, o Grupo de Estudos de Antropologia das Finanças (GEAF). Versando temas financeiros a partir das contribuições da antropologia e sociologia, a iniciativa buscou servir como espaço de diálogo e aprendizagem entre profissionais do mercado financeiro, servidores públicos, estudantes, professores e demais interessados.

Com um encontro presencial realizado na sede da CVM-RJ para cada unidade temática, os encontros foram orientados pelos seguintes eixos: 1) Dinheiro e dívida, 2) Profissionais do mercado financeiro e seus trabalhos, 3) A construção das finanças em perspectiva histórica, 4) A infraestrutura, as teorias e as tecnologias das finanças, 5) Endividamento e políticas governamentais, e 6) Regulação e crises do mercado. A seguir vamos compartilhar a bibliografia abordada e os principais temas discutidos nos três primeiros encontros e, na semana que vem, cobriremos as últimas três sessões.

Continue lendo…

Finanças comportamentais: os depósitos diários são mais eficazes que os mensais para a realização de poupança de longo prazo?

Em janeiro deste ano, Hal Hershfield, Stephen Shu e Shlomo Benartzi[1] publicaram a pesquisa “Temporal Reframing and Savings: A Field Experiment”[2], que procurou entender se oferecer a uma pessoa a possibilidade de efetuar aportes de forma mais frequente aumentaria a sua chance de aderir a um programa de poupança para a aposentadoria.

Continue lendo…