Tag Archives: vieses

Série CVM Comportamental – Vieses do Consumidor: Heurística do Afeto

A Heurística do Afeto (affect heuristic, em inglês) é um atalho mental para facilitar a tomada de decisão que faz com que nossas escolhas não sejam puramente racionais, mas influenciadas por emoções, que se manifestam de modo automático e inconsciente.

Isso provavelmente se deve ao fato de que, ao longo do tempo, o cérebro humano evoluiu no sentido de tornar mais rápida a resposta a um estímulo, a fim de nos tornarmos mais capazes de reagir a situações perigosas.

Continue lendo

Série CVM Comportamental: Falácia do Planejamento

A Falácia do planejamento (Planning Fallacy, em Inglês) é a tendência a subestimar o tempo, o esforço e os potenciais obstáculos necessários para a realização de algo, minimizando tanto a possibilidade de ocorrerem imprevistos quanto a própria dificuldade de concretização da tarefa, acreditando que ela é mais fácil do que de fato é.

Continue lendo

Todo Mundo Começa com Nota 10

Fruto da contribuição de um dos membros do Núcleo de Estudos Comportamentais (NEC) da CVM – a profª Vera Rita de Mello Ferreira – apresentamos aqui o artigo de Adriana Rodopoulos sobre o estudo intitulado Everyone starts with an ‘A’: applying behavioural insight to narrow the socioeconomic attainment gap in education, realizado em escolas da Alemanha. Segundo a autora, o estudo trata da aplicação dos pressupostos das ciências comportamentais à educação, com o intuito de melhorar o desempenho escolar e de diminuir a diferença de rendimento entre alunos de classes sociais diferentes.

A CVM agradece a contribuição e aproveita para sugerir aos leitores deste blog que reflitam sobre como as questões abordadas no estudo podem ajudar a melhorar as ações de Educação Financeira. Como seria possível reforçar uma mentalidade de formação de poupança e de planejamento financeiro? Quais as melhores estratégias para lidar com os vieses cognitivos que mais afetam o comportamento financeiro? Como as escolas poderiam criar um ambiente que favorecesse o consumo consciente e o desenvolvimento de uma relação saudável com o dinheiro desde a infância?

Disponibilizamos a seguir o artigo, incluindo um link para o estudo no qual ele se baseia, e aguardamos seus comentários:

Continue lendo