A Falácia do Jogador – também conhecida como Falácia do Apostador ou Falácia de Monte Carlo – é o viés comportamental que se origina de uma falha em compreender a noção de independência estatística e que nos faz “calcular” a probabilidade de um acontecimento com base na quantidade de vezes que ele já ocorreu.

Por exemplo, em um jogo de “cara ou coroa” que tenha ocorrido “cara” muitas vezes seguidas, esse viés pode levar uma pessoa a acreditar que a probabilidade de sair “coroa” no próximo lançamento é maior do que 50%, ignorando o fato de que cada jogada é um evento independente.

Não é difícil imaginar que os investidores também possam sucumbir a esse viés. Por exemplo, após uma série de valorizações seguidas de um mesmo papel, algumas pessoas começam a sentir uma ansiedade que as impele a liquidar suas posições, por terem a sensação de que entrará em cena algum mecanismo de correção capaz de fazê-las cair em breve, sem que haja uma explicação racional para tal queda.

Por outro lado, há investidores que decidem manter em carteira ativos cujo valor vem caindo seguidamente, sem se preocupar em compreender o motivo da desvalorização, simplesmente por acreditarem que algum processo aleatório fará o preço do ativo se desviar na direção oposta, passando a se valorizar.

Usando novamente o exemplo do “cara ou coroa”, isso equivaleria a pensar:

“bem, já que o resultado foi cara 20 vezes seguidas, agora só pode sair coroa”

No entanto, a probabilidade continua sendo de 50%.

Um exemplo famoso é o ocorrido em um cassino de Monte Carlo – daí o nome Falácia de Monte Carlo – em que o “vermelho” ocorreu 26 vezes seguidas. Nesse caso, a cada nova ocorrência, as apostas no “preto” aumentaram significativamente, influenciadas pelo fato de os apostadores terem considerado as ocorrências anteriores.

A fim de evitar a Falácia do Jogador é recomendável que o investidor:

  • Compreenda alguns conceitos básicos de probabilidade; em especial a noção de que, quando se trata de eventos independentes, as chances de ocorrer um resultado específico são exatamente as mesmas das vezes anteriores, não importa qual tenha sido o último resultado;
  • Leve a sério o alerta de que ganhos passados não representam garantia de rentabilidade futura e baseie suas decisões de investimento em informações relevantes e de qualidade, provenientes de fontes fidedignas; e
  • Acompanhe as notícias sobre o mercado financeiro e as informações disponibilizadas pela área de relações com investidores das companhias, pelos gestores dos fundos de investimento, pelos autorreguladores e pela CVM; a fim de identificar se eventuais altas ou baixas têm realmente fundamento sólido.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *