Nudge é uma palavra da língua inglesa que significa empurrar ou cutucar alguém levemente com o intuito de chamar sua atenção. Em sentido figurado, significa persuadir ou encorajar de forma sutil.

Cass Sustein¹ define o termo como uma intervenção que preserva a liberdade de escolha, ainda que possa influenciar a tomada de decisão. Em outras palavras, a ideia por trás dos nudges não é coagir, mas induzir.

Segundo o autor, são exemplos de nudges os caminhos sugeridos pelos GPSs, as advertências nos maços de cigarro, as configurações padrão nos aplicativos, os avisos legais nos rótulos de alimentos e as campanhas educativas do tipo “se beber, não dirija”.

Por outro lado, não podem ser considerados nudges a prisão civil pelo não pagamento de pensão alimentícia e as multas por estacionamento em local proibido, por exemplo. A diferença é que os nudges preservam uma margem considerável de liberdade de escolha, enquanto outras formas de incentivo à tomada de decisão são bem mais impositivas.

De acordo com Sustein, a fim de preservar ao máximo a autonomia dos cidadãos, os nudges produzidos pelo governo nunca devem ser ocultos. Ao contrário, precisam ser explícitos e tão passíveis de análise pela opinião pública quanto qualquer outra ação governamental.

A vantagem do nudge em relação a ações mais impositivas, além de melhorar a regulação evitando restringir direitos, é seu baixo custo em relação ao grau de efetividade, pois muitas vezes envolve medidas tão simples quanto a mera disponibilização de informações.

No entanto, é bom ter em mente que sua aplicação em políticas públicas, especialmente no âmbito das finanças comportamentais, deve ser baseada em evidências empíricas, sugerindo-se testar as ações planejadas em pequena escala, verificando sua eficácia, antes de promover sua aplicação em larga escala.

 

¹ Teórico mais citado no Direito americano, professor da Harvard Law School e colaborador da administração Obama, responsável por elaborar, junto com Richar Thaler, a teoria do Paternalismo Libertário e por cunhar o termo Arquitetura de Escolhas.

Principal fonte deste artigo: Sustein, Cass R. Nudging: A Very Short Guide. Disponível em http://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=2499658. Acessado em 29 jun 2015.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *