A 3ª edição da Conferência Internacional de Educação Financeira e Comportamento do Investidor (IEC2015) já está marcada para 7 e 8 de dezembro.

Com o intuito de preparar os participantes para o evento deste ano, estamos criando uma série de posts sobre o perfil dos palestrantes. O primeiro da série é o do Dr. George Loewenstein – Herbert A. Simon Professor of Economics and Psychology, da Carnegie Mellon University.

Dr. George Loewenstein
Dr. George Loewenstein

George Loewenstein possui Ph. D. em Economia, mas suas afinidades intelectuais se encontram na fronteira entre Economia e Psicologia. Muito do seu trabalho traz considerações psicológicas que dizem respeito a modelos e problemas centrais para a economia.

Seu principal foco de pesquisa é sobre Escolha Intertemporal – decisões envolvendo trade-offs entre custos e benefícios que ocorrem em diferentes pontos no tempo.

Uma vez que a maioria das decisões têm suas consequências distribuídas ao longo do tempo, as aplicações da Escolha Intertemporal podem ser numerosas (hábito de poupar, decisões de consumo e oferta de trabalho, entre outros).

No passado, as análises formais sobre Escolha Intertemporal em Economia, assim como em outras disciplinas das ciências sociais, eram dominadas por um único modelo – o Modelo de Utilidade Descontada.

O Dr. Loeweinstein tenta identificar as deficiências desse modelo, explicá-las em termos psicológicos e propor modelos alternativos. Por exemplo, tem procurado provar que a crença tradicional de que as pessoas são impacientes (ou seja, de que elas preferem enfrentar as coisas boas mais cedo e deixar as ruins para mais tarde) é, muitas vezes, incorreta.

Em sua pesquisa, o Dr. Loeweinstein encontrou o oposto: que as pessoas querem se livrar rapidamente das coisas ruins e, portanto, preferem que sua situação comece pior e vá melhorando ao longo do tempo, ao invés de começar bem e ir se deteriorando.

Um segundo foco de pesquisa analisa por que as negociações muitas vezes resultam em impasse, ainda que sob condições favoráveis. A principal parte dessa pesquisa gira em torno das avaliações do que se considera justo de acordo com os próprios interesses. O Dr. Lowenstein descobriu que, embora os negociadores frequentemente tentem chegar a acordos justos, sua visão do que é justo depende (de maneira egoísta) do seu papel na negociação.

Um terceiro foco, mais recente, é sobre as previsões das pessoas a respeito de seus sentimentos e comportamentos futuros. Em uma série de artigos, o Dr. Loewenstein vem desenvolvendo a noção de “cold-to-hot empathy gaps”. Ou seja, quando as pessoas estão em estado “frio” – sem fome, dor, raiva etc. – elas subestimam o impacto de tais estados “viscerais” em seu comportamento futuro.

Previsões análogas aplicam-se tanto às relações interpessoais (quem está frio tem dificuldade de prever o comportamento de quem está quente), quanto à memória (é difícil para quem está frio se lembrar de seu comportamento passado, quando estava quente). O mesmo acontece no sentido inverso, do quente para o frio.

*Texto traduzido do site da Carnegie Mellon University

O Dr. Loewenstein é keynote speaker da IEC 2015 e seus três focos de pesquisa possuem importantes aplicações no âmbito das Finanças Comportamentais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *