No artigo intitulado “Why ‘Just in Time’ Financial Education Is Too LateAnnamaria Lusardi explica porque acredita que transmitir educação financeira somente no momento da tomada de decisão já é tarde demais.

Segundo a autora, o conceito de just In time (que traduzimos livremente como “na hora certa”) por si só já é problemático, pois ignora o valor intrínseco da educação.

Todo conhecimento não aplicado (não só o financeiro) vai se perdendo ao longo do tempo, porém isso não significa que se deva abdicar de transmitir qualquer saber não imediatamente aplicável, deixando para fazê-lo apenas no momento em que for necessário. Isso equivale a ignorar o potencial transformador da educação.

Em seu artigo, Lusardi chama atenção para o fato de que indivíduos que possuem conhecimentos financeiros têm maior propensão para poupar, planejar seu futuro e selecionar melhor seus investimentos. No entanto, ela defende que esses conhecimentos precisam ser adquiridos antes que eles tomem tais decisões, a fim de que possam influenciar positivamente o comportamento futuro.

Nesse sentido, ela cita como exemplo a importância de começar a poupar o mais cedo possível. Tal recomendação, que é evidente para quem compreende o efeito dos juros compostos no tempo, é inócua para quem não tem educação financeira. Trata-se de um conhecimento de base, que não possui “hora certa” para ser recebido.

Além disso, a autora alega que a maioria das decisões financeiras não é tomada no momento da compra ou negociação, mas é resultado de um conjunto de outras decisões tomadas antes, e que tentar transmitir educação financeira nesse momento já é tarde demais.

Quando alguém vai a um banco contratar um financiamento imobiliário, por exemplo, geralmente já decidiu que tipo de imóvel quer adquirir, como pretende pagar, etc. – mas, e se tais decisões estiverem mal embasadas?

Para evitar isso, é necessário que o conhecimento financeiro esteja disponível muito mais cedo, antes mesmo que a pessoa comece a sonhar com a compra do imóvel, possibilitando um processo de compra mais consciente e informado.

Considerando que tomamos decisões financeiras o tempo todo ao longo de nossa vida, mas que o peso de algumas sobre o nosso bem-estar é inegavelmente superior ao de outras, nos remetemos a outro post deste blog – Programados para a imprudência? – na tentativa de propor uma possível solução para a pergunta do título:

Oferecer uma educação oportuna, ou seja, ensinar os conceitos básicos o mais cedo possível e reforçá-los em momentos cruciais, quando a pessoa for tomar as decisões financeiras mais importantes.

Assim, ao invés de substituir a educação financeira, a metodologia just in time poderia ser usada para recuperar e reforçar os conhecimentos financeiros previamente adquiridos, ajudando as pessoas a tomarem melhores decisões financeiras.

Na 3ª Conferência de Educação Financeira e Comportamento do Investidor, a Drª Lusardi falará sobre a importância do letramento financeiro e a efetividade da educação financeira. O evento acontecerá no Rio de Janeiro, nos dias 7 e 8 de dezembro de 2015, com tradução simultânea para o português. As inscrições são gratuitas e podem ser realizadas aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *