Os vieses de atribuição (attribution bias, em inglês) são um conjunto de vieses que explicam erros sistemáticos – que cometemos ao procurar explicações causais para os acontecimentos, seja em relação ao nosso comportamento ou ao alheio.

Na psicologia social, pesquisadores explicam os vieses da atribuição a partir de duas abordagens:

  • Cognitiva: alega que o julgamento que fazemos é distorcido em relação à realidade porque interpretamos as situações do nosso ponto de vista, limitados às informações disponíveis e baseados tanto no estado em que nos encontramos (físico, psicológico, etc.) quanto em nossas experiências passadas;
  • Motivacional: defende que os vieses da atribuição não são falhas no modo de processar as informações, mas que nossa tendência a fazer julgamentos apressados (ou insuficientemente fundamentados) por atribuição ocorre quando somos motivados ou pressionados a decidir.

Outros Conceitos Oriundos da Teoria da Atribuição

Erro Fundamental da Atribuição: diz respeito à tendência a supervalorizar os fatores internos, como personalidade e esforço, e a subestimar o impacto de fatores externos, como clima ou economia, quando tentamos explicar o comportamento de outras pessoas. No entanto, ao justificarmos nosso próprio comportamento, no inclinamos a fazer o oposto, dando maior peso às causas externas.

De modo análogo, o Erro da Atribuição Grupal se manifesta de duas formas: quando atribuímos as características de um indivíduo ao grupo do qual faz parte; e quando acreditamos que as preferências de uma pessoa são idênticas às da maioria de seu grupo.

Outro componente do erro fundamental da atribuição é a Assimetria do Ator-Observador (actor-observer assimetry, em inglês): dada uma situação, quem dela participa costuma explicá-la a partir de fatores alheios a sua vontade, enquanto quem observa de fora a justifica com base em características dos envolvidos.

Por exemplo: quando estamos no trânsito e outro carro avança o sinal vermelho, é comum atribuirmos tal comportamento à imprudência ou irresponsabilidade do motorista. Porém, quando fazemos o mesmo, atribuímos nossa decisão a fatores externos, como o alto índice de assaltos do local.

Similarmente, o Viés da Autoconveniência (self-serving bias, em inglês) nos faz atribuirmos nosso sucesso a fatores internos como a inteligência, e nossos fracassos a algum acontecimento ou ao comportamento de outra pessoa.

Já o Viés Egocêntrico (egocentric bias, em inglês) nos faz exagerar nossa própria importância. Um exemplo clássico é quando, ao participar de uma equipe, achamos que nossa contribuição é mais expressiva que a dos outros ou que nossas opiniões devem prevalecer.

Uma extensão do Viés Egocêntrico é o Efeito do Falso Consenso (false consensus effect, em inglês), que consiste na tendência a presumir que nossas crenças, nossos ideais, e nossas opiniões são compartilhadas pela maioria. Ou seja, é uma projeção do que acreditamos na sociedade que nos dá uma sensação de segurança quando fazemos escolhas.

Esses são apenas alguns dos vieses da atribuição. Eles são tantos e interferem de tantas formas diferentes na tomada de decisões que é difícil não sermos tendenciosos ao fazermos qualquer julgamento, especialmente quando estamos estressados, cansados, com pressa ou com informação insuficiente.

Sendo assim, para evitar os vieses da atribuição ao tomar decisões, é importante que o consumidor:

  • Procure avaliar o produto ou serviço ofertado de forma objetiva, levando em consideração o seu estado emocional e também aos fatores pessoais e situacionais que podem estar interferindo na hora da compra.
  • Busque todas as informações disponíveis sobre o produto em que está interessado, buscando entender sua motivação e necessidade. Sempre que tomamos decisões com poucas informações estamos predispostos a escolhas enviesadas.
  • Tente contextualizar e ponderar suas experiências positivas e negativas, para não ser tendencioso ao processar as informações na avaliação de um produto ou serviço. Produtos e serviços não são perfeitamente homogêneos, de forma que a sua satisfação com ele no passado, não garante o mesmo resultado no futuro.
  • Evite generalizar suas necessidades, tomando como respaldo a decisão de outras pessoas para os seus hábitos de consumo. A popularidade de um produto não garante a sua qualidade, bem como pode ou não corresponder a uma necessidade real sua.
  • O erro fundamental da atribuição e o viés da autoconveniência também prejudicam a avaliação dos resultados dos nossos investimentos, pois relacionam-se com o excesso de confiança. Manter uma postura autocrítica e examinar cuidadosamente os fatores do sucesso ou fracasso de uma determinada posição é fundamental para aprender com nossos erros e acertos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *